Acidente vascular cerebral, confusão: COVID-19 freqüentemente afeta o cérebro, mostra estudo

0
2

QUINTA-FEIRA, 25 de junho de 2020 – Pacientes com COVID-19 grave podem estar em risco de uma variedade de complicações cerebrais – de derrame a psicose, sugerem novas pesquisas.

“Há crescentes relatos de uma associação entre a infecção pelo COVID-19 e possíveis complicações neurológicas ou psiquiátricas, mas até agora elas costumam estar limitadas a estudos de 10 pacientes ou menos”, disse o principal autor do estudo, Benedict Michael. Ele é membro do Instituto de Infecção e Saúde Global da Universidade de Liverpool, no Reino Unido.

O estudo, descrito como o primeiro exame nacional de complicações neurológicas da infecção pelo novo coronavírus, analisou 125 pacientes com COVID-19 tratados em hospitais do Reino Unido durante abril. Michael enfatizou que se concentrava apenas em casos que eram graves o suficiente para exigir hospitalização.

A complicação cerebral mais comum foi o AVC, que ocorreu em 77 pacientes.

Desses acidentes vasculares cerebrais, 57 foram causados ​​por um coágulo sanguíneo no cérebro, nove por sangramento no cérebro e um por inflamação nos vasos sanguíneos do cérebro. A maioria dos pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral tinha mais de 60 anos de idade.

Trinta e nove pacientes experimentaram confusão ou mudanças de comportamento que sugeriam que eles tinham um estado mental alterado, segundo o estudo.

Desses, nove tiveram disfunção cerebral não especificada (encefalopatia), sete tiveram inflamação no cérebro (encefalite) e 23 foram diagnosticados com problemas psiquiátricos, disseram os pesquisadores.

Noventa e dois por cento dos diagnósticos psiquiátricos eram considerados novos. Dez pacientes tiveram uma psicose de início recente; seis tinham condições semelhantes à demência; e sete tinham sinais de um distúrbio de humor, incluindo depressão e ansiedade, segundo o estudo.

Informações sobre a idade estavam disponíveis para 37 dos 39 pacientes com um estado mental alterado. Quarenta e nove por cento tinham menos de 60 anos, de acordo com o estudo publicado em 25 de junho na The Lancet Psychiatry Diário.

Os resultados podem ajudar a orientar futuras pesquisas sobre as complicações neurológicas do COVID-19 e podem levar a tratamentos, disseram os autores do estudo em um comunicado de imprensa da revista.

De acordo com a coautora do estudo Sarah Pett, professora de doenças infecciosas na University College London, “esses dados representam um instantâneo importante das complicações relacionadas ao cérebro do COVID-19 em pacientes hospitalizados. É extremamente importante que continuemos a coletar esses dados”. informações para realmente entender completamente esse vírus “.

Pett disse que os pesquisadores também precisam entender complicações cerebrais em pacientes com COVID-19 que não estão doentes o suficiente para serem hospitalizados.

“Nosso estudo fornece as bases para estudos maiores, hospitalares e baseados na comunidade”, disse ela. “Esses estudos ajudarão a informar sobre a frequência dessas complicações cerebrais, quem corre maior risco de contrariá-las e, finalmente, qual a melhor forma de tratar”.

© 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Publicado: junho 2020

Fonte: www.drugs.com

Deixe uma resposta