Cirurgia para perda de peso prolonga a expectativa de vida, mostra estudo

0
2

QUARTA-FEIRA, 14 de outubro de 2020 – A obesidade está ligada à morte prematura, mas os pesquisadores descobriram que a cirurgia para perda de peso pode acrescentar alguns anos à sua vida.

Em um estudo envolvendo mais de 4.000 pessoas obesas, aquelas que tinham obesidade, ou cirurgia bariátrica, viveram três anos a mais em média do que aquelas que não tinham. Mas a expectativa de vida era quase seis anos menor do que a de indivíduos não obesos.

“Nossa descoberta ajudará os pacientes a fazer uma escolha informada ao considerar o tratamento da obesidade”, disse o pesquisador Dr. Peter Jacobson.

“A maior parte da mortalidade remanescente após a cirurgia é de doenças que podem ser prevenidas”, disse Jacobson, do Departamento de Medicina Molecular e Clínica da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

Além da morte precoce, a obesidade está associada ao diabetes tipo 2, câncer e doenças cardíacas.

Uma forma de aumentar a longevidade é controlar os fatores de risco cardiovascular, como pressão arterial, tabagismo e colesterol, disse Jacobson.

Para o estudo, os pesquisadores coletaram dados de pacientes que participaram do estudo Swedish Obese Subject. Os participantes foram acompanhados por mais de 20 anos em média. Ao longo desse tempo, 23% dos que fizeram a cirurgia para perder peso morreram, assim como 26% dos que não fizeram a operação.

No grupo da cirurgia, o IMC (índice de massa corporal) caiu 11 pontos em média no ano após a operação. Houve algum ganho de peso até o oitavo ano, após o qual o IMC se estabilizou em cerca de 7 pontos abaixo da linha de base.

As doenças cardíacas e o câncer foram as causas mais comuns de morte, relataram os pesquisadores.

“Esperamos que esta informação aumente a conscientização dos médicos sobre a importância de oferecer um acompanhamento adequado após a cirurgia de obesidade”, disse Jacobson.

O Dr. Mitchell Roslin é chefe de cirurgia de obesidade no Lenox Hill Hospital, na cidade de Nova York. Revendo as descobertas, ele disse: “Está claro que a cirurgia bariátrica é subutilizada”.

Médicos e especialistas da atenção primária precisam prestar mais atenção à obesidade e reconhecer que o encaminhamento para a cirurgia bariátrica não é opcional, mas salva vidas, disse Roslin.

Ele acrescentou que os resultados após a cirurgia para perda de peso são melhores em termos de prolongamento da vida do que aqueles da cirurgia de ponte de safena e stents.

“Ainda assim, poucos consideram isso eletivo para os necessitados. Precisamos começar a repensar o manejo de nossos pacientes com obesidade mórbida. A cirurgia precisa ser feita com mais frequência e mais cedo antes que mudanças irreversíveis ocorram”, disse Roslin.

O Dr. John Morton, diretor de cirurgia bariátrica da Yale School of Medicine, também revisou o estudo e disse que muitos dos pacientes suecos passaram por procedimentos que não são mais usados. Se eles tivessem as operações usadas atualmente, a expectativa de vida seria ainda maior, observou ele.

“A expectativa de vida poderia ter sido maior se você substituísse por operações mais eficazes do que a banda gástrica”, disse Morton. “Mas há um efeito legado de carregar peso extra. Mesmo que você tire o peso, pode haver alguns efeitos prolongados de carregar esse peso extra.”

Quanto mais você permanece pesado, mais condições crônicas você desenvolve e mais difícil é se livrar delas, disse Morton.

Considerando isso, Morton acredita que quanto mais cedo os pacientes obesos forem submetidos à cirurgia para perda de peso, maior a probabilidade de permanecerem vivos e saudáveis.

Cerca de 250.000 operações para perda de peso são realizadas a cada ano nos Estados Unidos. Mas 20 milhões de americanos são obesos, então é apenas cerca de 1% ao ano que faz a cirurgia, disse Morton.

“Carregar peso extra aumenta as comorbidades e diminui a expectativa de vida, mas com a perda de peso, você pode reverter isso”, disse ele.

Os resultados do estudo foram publicados em 14 de outubro no New England Journal of Medicine.

© 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Postado: outubro de 2020

Fonte: www.drugs.com

Deixe uma resposta