Com medidas de segurança, mães não devem passar COVID-19 para recém-nascidos: estudo

0
5

SEXTA-FEIRA, 24 de julho de 2020 – É improvável que as mães passem COVID-19 para seus recém-nascidos se seguirem as precauções recomendadas, sugere um pequeno estudo.

“Esperamos que nosso estudo forneça alguma garantia às novas mães de que o risco delas passarem COVID-19 para seus bebês é muito baixo. No entanto, são necessários estudos maiores para entender melhor os riscos de transmissão de mãe para filho”, disse Dr. Christine Salvatore, especialista em doenças infecciosas pediátricas do Hospital Infantil Komansky Weby Cornell Medicine-Nova York, na cidade de Nova York.

A pesquisa incluiu 120 bebês nascidos de 116 mães com infecção por COVID-19. Os bebês, nascidos em três hospitais de Nova York entre 22 de março e 17 de maio, tiveram permissão para dormir com suas mães e amamentar, se as mães estivessem bem o suficiente.

Os bebês estavam em berços fechados, a 1 metro da mãe, exceto durante a alimentação. As mães foram obrigadas a usar máscaras durante o manuseio de seus bebês e a seguir orientações frequentes sobre lavagem de mãos e seios.

Não houve casos de transmissão de coronavírus aos bebês durante o parto ou após duas semanas de amamentação e contato pele a pele. Com 1 mês de idade, 53 bebês fizeram um check-up virtual e estavam bem e crescendo normalmente, de acordo com o estudo publicado em 23 de julho na The Lancet Saúde da Criança e do Adolescente Diário.

Os resultados sugerem que é seguro para as mães com COVID-19 amamentar e alojar-se com o recém-nascido – se elas seguirem os procedimentos de controle de infecção, concluíram os pesquisadores.

A co-líder do estudo, Dra. Patricia DeLaMora, outra especialista em doenças infecciosas pediátricas da Weill Cornell, observou que o contato pele a pele e a amamentação são importantes para o vínculo entre mãe e filho e para a saúde a longo prazo do bebê.

“Nossas descobertas sugerem que bebês nascidos de mães com infecção por COVID-19 ainda podem se beneficiar com segurança, se medidas apropriadas de controle de infecção forem seguidas”, disse ela em um comunicado de imprensa da revista.

A Dra. Melissa Medvedev, professora assistente de pediatria na Universidade da Califórnia, em São Francisco, escreveu um editorial que acompanhava o estudo.

Embora ela tenha dito que as descobertas fornecem dados valiosos de segurança, as principais questões permanecem sem resposta.

“Dados robustos baseados na população são necessários para quantificar a incidência de complicações entre mulheres grávidas e neonatos e para entender taxas e rotas de transmissão vertical e horizontal, incluindo transmissão assintomática”, escreveu Medvedev. “Também são necessários estudos para determinar a eficácia das práticas de prevenção e controle de infecções no ambiente de cuidados neonatais”.

© 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Publicado: julho 2020

Fonte: www.drugs.com

Deixe uma resposta