Esclerose múltipla aumenta as chances de problemas cardíacos e derrames

0
8

QUARTA-FEIRA, 20 de maio de 2020 – A esclerose múltipla pode causar fraqueza, dor, fadiga e problemas de visão. A doença também parece aumentar as chances de doenças cardíacas e derrames, sugerem novas pesquisas.

A esclerose múltipla (EM) é um distúrbio do sistema nervoso central que pode afetar o movimento. O estudo britânico descobriu que pessoas com esclerose múltipla tinham quase um terço mais de ter “doença macrovascular”. Essas são condições que afetam os grandes vasos sanguíneos do corpo. A doença cardíaca e o derrame podem ser exemplos de doença macrovascular.

Pessoas com esclerose múltipla tinham um risco 1,5 vezes maior de morrer de doença cardíaca ou derrame, em comparação com pessoas sem a doença. Aqueles com esclerose múltipla também tiveram chances 3,5 vezes maiores de morrer por qualquer causa durante o estudo do que as pessoas sem a doença.

Essas diferenças foram mais pronunciadas nas mulheres do que nos homens.

Uma boa notícia que o estudo constatou foi que os medicamentos para baixar o colesterol, principalmente as estatinas, estavam associados a um menor risco de morte para pessoas com esclerose múltipla.

O autor principal do estudo, Raffaele Palladino, da Escola de Saúde Pública do Imperial College de Londres, na Inglaterra, disse que é importante que as pessoas com esclerose múltipla tenham seu coração e vasos sanguíneos monitorados regularmente.

O acompanhamento regular pode ajudar a “identificar aqueles que podem se beneficiar mais das estratégias intensivas de redução de risco vascular”, que podem incluir medicamentos para baixar o colesterol, disse ele.

Kathleen Costello, vice-presidente associada de acesso à saúde da Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla, concordou que é vital tomar medidas para reduzir o risco de doenças cardíacas e derrames.

“Embora as terapias modificadoras de doenças para a EM sejam importantes, os comportamentos de estilo de vida e bem-estar também são importantes. Parar de fumar, aumentar a atividade física do jeito que você puder, comer uma dieta saudável para o coração e gerenciar a saúde emocional são todos importantes”, disse Costello, que não era envolvido com o estudo.

Costello observou que esses comportamentos podem ajudar a prevenir doenças cardíacas e derrames, além de ajudar com a EM.

Ela observou que, para algumas pessoas com EM, a atividade física pode ser difícil. “Qualquer pessoa com esclerose múltipla – não importa onde estejam suas capacidades físicas – pode ver melhora com a atividade. Quanto mais atividade as pessoas tiverem, melhor – mesmo apenas exercícios respiratórios podem ajudar”, disse Costello.

Ela recomendou conversar com seu médico sobre exercícios adequados para você e diminuir o risco de lesões. Alguns também podem precisar consultar um especialista em reabilitação, disse Costello.

O estudo incluiu mais de 12.000 pessoas com esclerose múltipla que vivem na Inglaterra. Sessenta e sete por cento eram mulheres. A idade média foi de 45 anos. Os pesquisadores os compararam a um grupo maior e compatível de mais de 72.000 pessoas sem esclerose múltipla.

Palladino disse acreditar que as conclusões do estudo se aplicam a outras populações, incluindo pessoas nos Estados Unidos.

Uma razão pela qual as pessoas com EM podem ter mais doenças cardíacas e derrames é a inflamação. Palladino explicou que a inflamação associada à EM pode levar a mais inflamação dos vasos sanguíneos, o que pode levar a mais ataques cardíacos e derrames. “No entanto, mais pesquisas são necessárias para esclarecer essa associação”, disse ele.

Por que as mulheres com EM parecem ter um risco ainda maior de desenvolver essas preocupações no coração e nos vasos sanguíneos? Palladino disse que pode ser porque as mulheres mais jovens saudáveis ​​normalmente têm um risco menor de doenças cardíacas. Portanto, o efeito pode parecer mais pronunciado em mulheres com EM porque elas normalmente teriam um risco muito menor do que o observado no estudo.

Costello disse que o achado em mulheres era uma “observação interessante, e não tradicionalmente em quem você pensa quando pensa em pessoas com doenças cardiovasculares”. Ela disse que são necessários mais estudos para entender esse achado.

Costello também disse que as pessoas com esclerose múltipla devem ter um prestador de cuidados primários que veem regularmente. “É importante ter sua saúde rastreada regularmente. É melhor começar a tratar os problemas mais cedo”, disse ela.

Os resultados do estudo foram publicados no início deste mês em JAMA Neurology.

© 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Publicada: maio de 2020

Fonte: www.drugs.com

Deixe uma resposta