Nenhuma ligação encontrada entre medicamentos para pressão arterial e câncer: estudo

0
5

SEGUNDA-FEIRA, 7 de setembro de 2020 – Remédios para hipertensão não aumentam o risco de câncer, de acordo com o maior estudo a examinar o assunto.

Uma possível ligação entre medicamentos para pressão arterial e câncer tem sido objeto de debate por décadas, mas as evidências têm sido inconsistentes e conflitantes.

Para este estudo, os pesquisadores analisaram dados de 31 ensaios clínicos de medicamentos para pressão arterial que envolveram 260.000 pessoas. Os investigadores de todos os ensaios forneceram informações sobre quais participantes desenvolveram câncer. Muitas dessas informações não foram publicadas antes, então o novo estudo é o mais detalhado até o momento.

Ele analisou cinco medicamentos para pressão arterial separadamente: inibidores da enzima conversora da angiotensina (ACE), bloqueadores do receptor da angiotensina II (BRAs), bloqueadores beta, bloqueadores dos canais de cálcio (CCBs) e diuréticos.

Os pesquisadores estimaram o efeito de cada classe de drogas sobre o risco de desenvolver qualquer tipo de câncer, de morrer de câncer e de desenvolver câncer de mama, cólon, pulmão, próstata e pele.

O estudo não encontrou evidências de que qualquer uma das classes de drogas aumentasse o risco de câncer. Isso era verdade independentemente da idade dos participantes, sexo, tamanho corporal, tabagismo e uso anterior de medicamentos para pressão arterial, de acordo com descobertas apresentadas recentemente em um encontro online da Sociedade Europeia de Cardiologia.

A pesquisa apresentada em reuniões é normalmente considerada preliminar até ser publicada em um periódico revisado por pares.

Não houve indicação de que o risco de câncer aumentou com o uso mais prolongado de medicamentos para pressão arterial.

“Nossos resultados devem tranquilizar o público sobre a segurança dos medicamentos anti-hipertensivos em relação ao câncer, que é de suma importância, dado seu benefício comprovado na proteção contra ataques cardíacos e derrames”, disse a autora do estudo Emma Copland, epidemiologista da Universidade de Oxford em o Reino Unido

© 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Postado: setembro de 2020

Fonte: www.drugs.com

Deixe uma resposta